O sexto sentido: existem genes associados a ele?

O sexto sentido: existem genes associados a ele?

Last Updated on Dezembro 17, 2022 by Joseph Gut – thasso

Onde estamos no espaço?

11 de dezembro de 2022 – Estamos todos familiarizados com os cinco sentidos que nos permitem experimentar o que nos rodeia, ou seja, visão, audição, olfato, paladar e tato. No entanto, igualmente importante, mas muito menos conhecido, é o chamado Sexto Sentido. O sexto sentido representa a percepção extra-sensorial ou habilidade pertencente à recepção de informações não obtidas através dos sentidos físicos reconhecidos mencionados acima, mas percebidas com a mente.

Assim, para realizar movimentos coordenados, contamos com neurônios sensoriais especiais em nossos músculos e articulações. Sem eles, o cérebro não saberia o que o resto do nosso corpo está fazendo ou onde estamos no espaço, o que, às vezes, pode ser uma informação importante a se ter, como, por exemplo, para atletas em competições planas nas alturas nível possível. Como alguns estudos recentes (revisados e baseados em banco de dados aqui) sugerem, os circuitos e vias envolvidos que compõem esse sentido particular, também conhecido como propriocepção, são pensados ​​para compartilhar alguns mecanismos biológicos com envelhecimento, cognição, habituação, inervação, sensibilização, sensorial- percepção, processamento sensorial e percepção visual espacial, para citar apenas alguns. Da mesma forma, acredita-se que vários genes desempenham papéis na propriocepção, como ACLY, BDNF, CARD16, CAT, CRAT, FLT4, GLYAT, GRIP e muitos mais. Na maioria dos casos, no entanto, não ficou claro como exatamente esses genes se relacionariam com o fenômeno “Sexto Sentido”. Um estudo importante mostrou agora que, usando um modelo de gêmeos, existe uma hereditariedade da propriocepção e que fatores genéticos e ambientais que contribuem para esse complexo

Tocando nossos sentido

traço humano pode efetivamente ser desemaranhado. O estudo revelou que a propriocepção, expressa como senso de movimento, senso de posição e senso de força, é substancialmente hereditária, e é concebível que isso possa ter implicações para o aprendizado e controle motor, desenvolvimento neural e neuroreabilitação.

No geral, o sexto sentido (ou propriocepção) é o que permite ao sistema nervoso central enviar os sinais certos através dos neurônios motores aos músculos para que possamos realizar um movimento específico e nos orientar no espaço. Esse sentido é totalmente inconsciente e é o que impede, pelo menos alguns de nós, de cair no escuro, o que nos permite levar uma xícara de café à boca com os olhos fechados pela manhã, ou o que nos permite pular a trave de equilíbrio e pousar nela com segurança após uma cambalhota. Mas, aparentemente, isso não é tudo: pessoas sem propriocepção não conseguem realizar movimentos coordenados.

É por isso que o trabalho de uma equipe de pesquisa na Alemanha, que publicou recentemente na Nature Communications suas descobertas sobre como os marcadores moleculares podem coletar informações de nossos músculos e articulações sobre nossos movimentos, nossa postura e nossa posição no espaço, e depois transmiti-las aos nossos sistema nervoso central torna-se tão importante. Eles descrevem os marcadores moleculares das células envolvidas nesse “sexto sentido”. As descobertas devem ajudar os pesquisadores a entender melhor como funcionam os neurônios sensoriais proprioceptivos (pSN).

Conexões precisas são cruciais

Os corpos celulares pSN estão localizados nos gânglios da raiz dorsal da medula espinhal. Eles estão conectados através de longas fibras nervosas aos fusos musculares e aos órgãos tendinosos de Golgi, que registram constantemente o alongamento e a tensão em todos os músculos do corpo. O pSN envia essas informações para o sistema nervoso central, onde é usado para controlar a atividade do neurônio motor para que possamos realizar movimentos. No entanto, até agora, quase nada se sabia sobre os programas moleculares que permitem essas conexões precisas e conferem ao pSN específico do músculo sua identidade única. Assim, a equipe de pesquisa procurou especificamente marcadores moleculares que diferenciam o pSN para os músculos abdominais, das costas e dos membros em um projeto experimental de camundongos.

Orientação para fibras nervosas nascentes
Alguns genes começam a revelar seus papéis secretos quando se trata do Sexto Sentido

Usando sequenciamento de célula única, a equipe investigou quais genes no pSN dos músculos abdominais, das costas e das pernas são lidos e traduzidos em RNA. Eles encontraram genes característicos para o pSN ligados a cada grupo muscular. Eles também mostraram que esses genes já estão ativos no estágio embrionário e permanecem ativos por pelo menos um tempo após o nascimento. Isso pode significar que existem programas genéticos fixos que decidem se um proprioceptor irá inervar os músculos abdominais, das costas ou dos membros.

A equipe identificou vários genes para ephrins e seus receptores que estão envolvidos na orientação de fibras nervosas nascentes para seu alvo durante o desenvolvimento do sistema nervoso. A equipe descobriu que as conexões entre os proprioceptores e os músculos da perna traseira foram prejudicadas em camundongos que não podem produzir efrina-A5. Tanto os receptores de efrina quanto os de efrina (Eph) são proteínas ligadas à membrana que requerem interações diretas célula-célula para o receptor de Eph ativação. A sinalização de ef/efrina tem sido implicada na regulação de uma série de processos críticos para o desenvolvimento embrionário, incluindo orientação axônica, formação de limites teciduais, migração celular e segmentação. Além disso, foi identificado que a sinalização Eph/ephrin desempenha um papel crítico na manutenção de vários processos durante a vida adulta, incluindo potencialização de longo prazo, angiogênese e diferenciação de células-tronco e câncer. Seria fantástico conhecer com mais precisão o papel das variantes genéticas (alélicas) das efrinas e dos receptores no desenvolvimento e as diferenças interindividuais no sexto sentido.

[printfriendly]

Isenção de responsabilidade: As imagens e/ou vídeos (se houver) neste blog podem estar protegidos por direitos autorais. Todos os direitos permanecem com o proprietário desses direitos.

Ph.D.; Professor de Farmacologia e Toxicologia. Especialista sênior em medicina theragenômica e personalizada e segurança individualizada de medicamentos. Especialista sênior em farmacogenética e toxicogenética. Especialista sênior em segurança humana de medicamentos, produtos químicos, poluentes ambientais e ingredientes dietéticos.

Deixe um comentário

Optional: Social Subscribe/Login

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.