Gâmbia: mortes de crianças devido a xaropes para tosse

Gâmbia: mortes de crianças devido a xaropes para tosse

Last Updated on October 18, 2022 by Joseph Gut – thasso

17 de outubro de 2022 – “Polícia da Gâmbia vincula mortes de crianças a xaropes para tosse importados por empresa dos EUA”. Este é um relatório da Reuters que ilustra de forma trágica a problema da globalização de todos os processos envolvidos no fornecimento de medicamentos aos pacientes necessitados em todo o mundo, em combinação com a (às vezes criminosa) falta de responsabilização de certos indivíduos envolvidos nesses processos e as armadilhas possivelmente associadas.

Um país está de luto por suas crianças inocentes

A morte de 69 crianças por lesão renal aguda na Gâmbia está ligada a quatro xaropes para tosse fabricados na Índia e importados para o país da África Ocidental por meio de uma empresa farmacêutica sediada nos EUA, disse a polícia da Gâmbia em um relatório de investigação preliminar sobre as mortes desses crianças. Em alerta da Organização Mundial da Saúde (OMS), pesquisadores já haviam encontrado níveis “inaceitáveis” de dietilenoglicol e etilenoglicol, que podem ser tóxicos, nos quatro produtos Promethazine Oral Solution, Kofexmalin Baby Cough Syrup, Makoff Baby Cough Syrup, e Magrip N Cold Syrup, neste caso todos produzidos e comercializados pela Maiden Pharmaceuticals Ltd, com sede em Nova Delhi. Aparentemente, os produtos foram transferidos, após sua produção pela Maiden Pharmaceuticals Ltd, para a American Atlantic Pharmaceuticals Company Ltd, com sede em Atlanta GA, que obviamente tem permissão para exportar medicamentos para a Gâmbia. A partir daí, a Agência de Controle Médico da Gâmbia (MCA) é responsável com relação à identidade, eficácia e segurança dos medicamentos/drogas no mercado no

Aparentemente o mais importante: os lucros devem estar certos.

Gâmbia, pelo menos de acordo com sua própria declaração de missão. E agora, algo deu terrivelmente errado ao longo da cadeia desses medicamentos que viajam da Índia através dos EUA para a Gâmbia e, claro, para os pacientes finais, as crianças inocentes que morreram neste caso. Evidentemente, tem havido falta de dispendiosos controles de qualidade dos produtos, nos fabricantes, na empresa intermediária de comércio e na autoridade de registro final na Gâmbia. Só podemos esperar que isso tenha sido uma supervisão em qualquer estágio e não calculado evitando custos.

A investigação da polícia criminal sobre questões relacionadas à segurança de drogas deve permanecer uma exceção única.

As autoridades da Gâmbia lançaram uma investigação pela polícia em setembro de 2022, depois que médicos notaram em julho de 2022 que várias crianças desenvolveram sintomas de insuficiência renal depois de tomar xaropes vendidos localmente usados ​​para tratar febres. Lesões renais causaram 69 mortes de crianças, de acordo com o governo, que suspendeu as vendas de todas as marcas dos xaropes para tosse introduzidos acima e os retirou das farmácias e residências. De acordo com o relatório policial resultante, um total combinado de 50.000 garrafas desses xaropes foram adquiridos pela Gâmbia. O relatório estabeleceu que de 50.000 garrafas de xaropes para bebês contaminados, 41.462 garrafas foram colocadas em quarentena ou apreendidas e que, em contraste, 8.538 garrafas permaneceram desaparecidas. Esta última noção é, obviamente, uma falha inédita das autoridades de registro ou talvez da organização do sistema de saúde na Gâmbia. Dito isso, pode ser compreensível que um (pequeno) país com recursos especializados e profissionais limitados possa simplesmente não estar em condições de cumprir todos esses requisitos de garantir medicamentos seguros a todos os pacientes. A declaração da semana passada do Ministro da Saúde da Gâmbia de que “somos todos vítimas da negligência dos fabricantes. Como país, não temos tudo os recursos e o pessoal. Nós não temos um laboratório de testes de drogas” pode ilustrar esta situação, mas não deve ser uma desculpa para a morte de crianças inocentes.

De acordo com o comunicado do ministro, a proposta era que os parceiros internacionais pudessem ajudar o país a reforçar os sistemas de monitorização de medicamentos e os regulamentos de importação, salientando que a Gâmbia está a agir nesse sentido. Como a incidência discutida pode não ser um caso isolado em escala global, talvez seja necessário pensar em uma agência global especializada em controle de qualidade (GQCA), em casa, por exemplo, na OMS, onde todos os medicamentos que são produzidos em algum lugar, vão para algum lugar, vão ser vendidos a terceiros (agência, sociedade, qualquer tipo de negócio, etc.), e vão chegar ao leito do paciente em algum lugar do mundo, têm que passar por controles de qualidade muito rigorosos podem ser uma solução futura para o problema atual.

Veja aqui uma sequência sobre este problema:

Print Friendly, PDF & Email

Isenção de responsabilidade: As imagens e/ou vídeos (se houver) neste blog podem ser protegido por direitos autorais. Todos os direitos permanecem com o proprietário desses direitos

Your opinion

Comment

No comments yet