Estudos genéticos de populações africanas sobre suscetibilidade a doenças e resposta a vacinas e terapêuticas que

Estudos genéticos de populações africanas sobre suscetibilidade a doenças e resposta a vacinas e terapêuticas que

Last Updated on October 7, 2022 by Joseph Gut – thasso

o6 de outubro de 2022 – Há quase 2.000 anos, o erudito romano e filósofo natural Plínio, o Velho, escreveu em sua História Natural: “Ex Africa surgit semper aliquid novi” (da África sempre há algo novo). Esta citação aplica-se maravilhosamente a estudos genéticos de populações africanas, pois fornecem um recurso crítico no estudo de fatores de risco genéticos de doenças humanas e novas descobertas. A África é a fonte definitiva dos humanos modernos e, como tal, abriga mais variação genética do que qualquer outro continente.

Por esta razão, os estudos dos padrões de variação genética em populações africanas são cruciais para entender como os genes afetam a variação fenotípica, incluindo a predisposição a doenças. Além disso, os padrões de variação genética existente na África são importantes para entender como a variação genética afeta doenças infecciosas que são um grande problema na África, como malária, tuberculose, esquistossomose e HIV/AIDS. Portanto, elucidar o papel que a suscetibilidade genética a doenças infecciosas desempenha é fundamental para melhorar a saúde das pessoas na África. É também digno de nota que mudanças sociais e culturais recentes e em curso na África Subsaariana aumentaram a prevalência de doenças não transmissíveis que também exigirão análises genéticas para melhorar a prevenção e o tratamento de doenças. Nesta revisão, damos atenção especial a muitos dos estudos anteriores e em andamento, enfatizando aqueles em africanos subsaarianos que abordam o papel da variação genética nas doenças humanas. Em uma extensa revisão, uma equipe de autores e pesquisadores abordou essa questão. Eles mostram com algum detalhe, como genes selecionados podem influenciar ou mesmo ser responsáveis ​​pela suscetibilidade a fenótipos de doenças característicos em uma variedade de populações da África Subsaariana.

Alguns problemas na seleção da etnia definitiva e exemplos de correlações definitivas com a suscetibilidade à doença

Aqui, tentamos mostrar trechos da revisão citada para ilustrar doenças infecciosas, doenças raras, mas também doenças crônicas normais, onde as origens definitivamente genéticas desempenham um papel em seu remédio, ou na tendência de serem vítimas delas. Podemos, no entanto, não encontrar uma dependência étnica clara. Isso certamente tem a ver com duas coisas.

Primeiro, a África é uma região de considerável diversidade genética, linguística e cultural. Existem mais de 2.000 grupos etnolinguísticos distintos, que falam línguas que constituem quase um terço das línguas vivas do mundo. Estas línguas foram classificadas em quatro grandes famílias linguísticas: Níger-Kordofanian (falado predominantemente por populações agrícolas em uma ampla distribuição geográfica na África), Afro-Asiático (falado predominantemente por pastores e agropastoris do norte e leste da África), Nilo-Saharan (falado predominantemente por pastores da África Oriental e Central) e Khoisan (uma língua contendo consoantes de clique, falada por populações de caçadores-coletores da África Austral e Oriental). Essas populações vivem em um conjunto diversificado de ambientes e climas, incluindo florestas tropicais, savanas, desertos e regiões costeiras. Além disso, as populações africanas têm uma história demográfica complexa, consistindo em eventos de expansão e contração populacional antigos e recentes, migrações de curto e longo alcance (por exemplo, a migração de falantes de bantu agrícolas da África Ocidental em toda a África subsaariana nos últimos 4.000 anos e a migração de falantes de Khoisan do leste para o sul da África nos últimos 20.000 a 40.000 anos), e inúmeras misturas de população local. As consequências modernas (ou seja, hoje) dessas migrações podem ser ilustradas com o exemplo de Camarões; onde entre os cerca de 30 milhões de habitantes existem 250 etnias e cerca de 250 línguas diferentes.

Segundo, uma vez que hoje ainda não existem perfis de assinatura genética definitivos para uma determinada “etnia”, ainda será muito difícil atribuir, com base em perfis genéticos, perfis de risco para a suscetibilidade de membros de determinadas etnias para determinados fenótipos de doenças selecionadas e para atribuir maiores ou menores riscos de doença a etnias selecionadas. Por enquanto, pode-se ter que ficar com as informações sobre a variação genética que está relacionada com o aumento dos riscos de indivíduos portadores dessas variações para fenótipos de doenças, sucessos de vacinação e sucesso de drogas/terapia; talvez ainda não estritamente ligados a etnias, mas sim a grupos de indivíduos dos mesmos ambientes socioeconômicos, ambientais, culturais, linguísticos e/ou comportamentais locais.

Em consonância com esta última estimativa, já existem muitos estudos que estudam os riscos de doença ou a ausência dela em pacientes de genótipos selecionados. A malária seria um exemplo. A malária é um grave problema de saúde na África, sendo responsável por uma em cada cinco mortes infantis. Em 2006, a OMS estimou que quase 74% da população africana vive em áreas endêmicas de malária, cerca de 19% em áreas propensas a epidemias e apenas 7% em áreas livres de malária. Estudos de grandes populações estão abordando a genética complexa da suscetibilidade à malária e vários genes têm sido associados à suscetibilidade à malária. Certos fenômenos (vias) são críticos para o desenvolvimento da malária, e variantes genéticas que interrompem esses processos podem proteger contra doenças. A invasão dos eritrócitos pelos parasitas da malária é central no processo da doença, e o antígeno do grupo sanguíneo Duffy (sistema Duffy), um receptor de quimiocina expresso em muitos tipos celulares e codificado pelo gene FY, é importante porque o Plasmodium vivax não pode infectar indivíduos que não expressam o Duffy antígeno, resultando em proteção total dos indivíduos Duffy (-). A falta de expressão de Duffy é devido a um SNP promotor que altera um sítio de ligação para o fator de transcrição GATA-1, resultando na incapacidade do parasita de invadir os glóbulos vermelhos. Mais de 97% dos indivíduos na África Ocidental e Central são Duffy (-). A data de surgimento do genótipo Duffy (-) foi amplamente datada, de mais de 90.000 a cerca de 6.500 anos atrás. Tem havido um debate considerável se a propagação de Duffy (-) foi devido à seleção de sobrevivência de indivíduos (no sentido de Charles Darvin) em resposta ao Plasmodium vivax ou se evoluiu de forma independente e provavelmente mais cedo. A última hipótese é consistente com uma origem do Sudeste Asiático de P. vivax, e a evolução independente do genótipo Duffy (-) em toda a África. Se houve uma correlação estrita de etnia com o fenótipo da malária, particularmente quando se consideram os indivíduos que vivem nas áreas propensas a epidemias e livres de malária acima mencionadas, permanece uma questão em aberto.

Aqui, podemos estar cientes de que as considerações acima sobre a malária também se aplicam a outras doenças infecciosas em toda a África, como tuberculose, HIV/AIDS, hanseníase, esquistossomose, tracoma e até doenças não transmissíveis, como diabetes e obesidade, hipertensão, doenças cardiovasculares doença, câncer em geral, mas depois para câncer de próstata, câncer colorretal, câncer de mama, imunidade induzida por vacina, lipídios séricos (colesterol). Apenas as variantes de risco genético candidatas em cada caso seriam muito diferentes.

Ao fazer estudos em toda a África, será possível capturar a maioria dos fatores de risco genéticos existentes em todas as populações humanas. Também pode ser possível usar testes genéticos simples e relativamente baratos para reduzir os custos gerais de saúde. Existem muitas doenças endémicas em África que acarretam riscos genéticos signifcativos, e estudá-las pode melhorar a saúde em África. No entanto, apesar das vantagens e da importância desses estudos, existem impedimentos substanciais para a realização de pesquisas genéticas em um ambiente africano, principalmente a falta de recursos e infraestrutura. Em reconhecimento a esses fatores, grandes esforços e iniciativas estão em andamento para desenvolver redes de pesquisa e biobancos necessários para acelerar a pesquisa clínica e genética relacionada às especificidades da África. Tais iniciativas incluem, mas não estão restritas à African Society of Human Genetics, o African Genomic Medicine Portal (AGMP), o H3Africa Consortium (H3Africa), ou empresas africanas como a 53gene (53gene).

Escusado será dizer que thasso já teve vários artigos sobre genética e antecedentes genéticos quando se trata de pacientes africanos, como, mas não limitado a, “Hidden secrets in African genomes revealed by large scale sequencing“, ou “AGMP: The African Genomic Medicine Portal“, “Populations of African descent: New trait loci for hypertension“, e “Tapping into the massive potential of African genomes: 54gene“.

Print Friendly, PDF & Email

Isenção de responsabilidade: As imagens neste blog podem ser protegido por direitos autorais. Todos os direitos permanecem com o proprietário desses direitos.

Your opinion

Comment

No comments yet