Blockchain: Genomics em vez de Bitcoin

Blockchain: Genomics em vez de Bitcoin

Last Updated on July 24, 2022 by Joseph Gut – thasso

25 de julho de 2022 – Blockchain é uma tecnologia digital que permite um registro seguro e descentralizado de transações que está sendo cada vez mais usado para tudo, desde criptomoedas até obras de arte. Mas o blockchain também está entrando ou sendo cada vez mais usado em qualquer ambiente, onde surgem informações individuais e podem ser compartilhadas de forma segura com outras pessoas. Um desses novos usos para blockchain pode ser aproveitar a tecnologia para colocar as pessoas no controle de seus próprios genomas.

Todos esses dados. Em si, não muito informativo.

Curiosamente, thasso já tinha um artigo sobre o potencial da tecnologia blockchain para pessoas solteiras apresentarem seus fenótipos clínicos e de pacientes pessoais ao público interessado, um processo chamado de “corretagem de fenótipos” na época. Um artigo recente na edição de 29 de junho do Journal Genome Biology expande esse conceito para envolver dados genômicos de indivíduos individuais em uma abordagem semelhante baseada em blockchain.

A principal ideia/objetivo dessa abordagem blockchain é devolver a propriedade dos dados genômicos ao indivíduo, de acordo com a equipe de pesquisa por trás deste estudo. Milhões de pessoas que buscam informações sobre sua ascendência ou informações sobre riscos médicos já doaram suas informações genéticas para empresas comerciais privadas. No entanto, quer saibam ou não, eles também abriram mão do controle sobre como essa informação é usada ou vendida.

Todos esses dados de cima. Tornando-se informativo, até mesmo preditivo para os pacientes, quando fortemente conectado a resultados fenotípicos.

A nova tecnologia, chamada SAMchain, garante que as informações genômicas individuais permaneçam seguras e sob o controle do indivíduo. Como as informações não podem ser alteradas uma vez armazenadas em blockchains, a tecnologia também protege contra a corrupção ocasional de dados de DNA armazenados na nuvem, onde a maioria das informações genômicas agora é armazenada em redes remotas de computadores. Os dados genômicos estão se tornando cada vez mais essenciais para a compreensão da saúde e das doenças humanas. A integridade e a segurança desses dados devem ser uma prioridade ao fornecer soluções de armazenamento e análise. Corrupção, alteração ou perda de genomas os dados pessoais podem criar problemas no atendimento ao paciente e na integridade da pesquisa no futuro.

É claro que a tecnologia SAMchain também pode acelerar o avanço da medicina verdadeiramente personalizada. Por exemplo, os pacientes podem fornecer acesso direto aos seus dados genômicos aos médicos, que podem usar as informações para ajudar a diagnosticar e tratar condições médicas. Eles também podem dar permissão aos pesquisadores médicos para usar suas informações genéticas como parte de suas pesquisas ou até mesmo vendê-las para empresas farmacêuticas, ou seja, em alguma forma de “intermediação do genoma“.

Os pesquisadores dizem que o desenvolvimento da tecnologia blockchain para fins médicos foi dificultado por um grande obstáculo: o imenso tamanho dos dados contidos em nosso DNA. Ao contrário de uma transação financeira facilitada por blockchain, como uma negociação de bitcoin, que requer uma quantidade limitada de armazenamento de dados, os dados do sequenciamento de um único cromossomo humano podem conter milhões de “leituras” ou pequenos trechos de DNA. Os pesquisadores envolvidos no estudo atual contornaram esse problema comparando o DNA de um indivíduo com um genoma de referência padrão. Eles então armazenaram apenas as diferenças em blocos vinculados do blockchain. Os blocos, por sua vez, foram indexados de forma especial para permitir consultas rápidas.

No entanto, esta medida em si pode ser questionável. Enquanto de um ambiente de pensamento de TI, um genoma de referência padrão pode ser aceitável, de um ambiente de pensamento de individualidade humana, surge a questão de qual genoma será usado como padrão de referência? Existe um “genoma padrão”? E a que então se referem as diferenças armazenadas de indivíduos individuais? Essas diferenças individuais armazenadas podem, é claro, estar ligadas a condições com fatores de risco genéticos conhecidos, que podem informar os pacientes não apenas sobre seu risco pessoal de desenvolver doenças, mas também ajudar a orientar os tratamentos para distúrbios existentes.

A situação ideal seria ter uma combinação de um sistema blockchain com dados genômicos correlacionados aos dados do fenótipo do paciente (resultados) com uma indicação de odds ratio da correlação (Odds ratio) de um estado genético e o estado fenotípico real de um paciente, conforme referenciado e iludido em post anterior de thasso. Ainda pode haver um caminho a percorrer.

 

Print Friendly, PDF & Email

Your opinion

Comment

No comments yet